Posts Tagged ‘Kenneth Branagh’

Thor (Thor, 2011)

novembro 30, 2011

Por Bruno Pongas

Hoje em dia temos filmes de super-herois para todos os gostos. Batman e Homem-Aranha aparecem na lista dos meus preferidos. Alguns, como Mulher-Gato, nem sequer mereciam ter saído do papel, tamanha a ruindade, e outros, como Homem de Ferro, trafegam num meio termo nem sempre cômodo entre o bom e o mais ou menos (no meu ponto de vista, claro).

É neste meio termo que se encontra Thor, um dos últimos super-herois a desembarcar nas telonas. O poderoso personagem, que já havia sido retratado fora dos quadrinhos em outras oportunidades (lembram-se do detestável e inexplicavelmente fraco Thor que aparece na saga dos Cavaleiros do Zodíaco?), ganhou sua vertente hollywoodiana através dos esforços de Kenneth Branagh.

A personagem Thor, em linhas gerais, segue à risca o que é dito sobre ela na mitologia nórdica – um homem forte, bondoso, honesto, mas ao mesmo tempo briguento e irresponsável. Também diz a mitologia que ele era faminto, o que também é retratado por Branagh, só que de forma descontraída e divertida. Neste ponto, o diretor acertou em cheio ao escolher Chris Hemsworth para o papel principal. Hemsworth, apesar de pouco conhecido do público, mostra talento e sabe dosar os tons cômico e sério muito bem.

Mas voltemos lá no começo, quando eu falava sobre o meio termo entre tramas de super-herois boas e ruins. Thor tem seus méritos, claro (falarei sobre eles adiante), mas derrapa em aspectos simples. Uma obra com tantos efeitos especiais merecia embates memoráveis, daqueles de tirar o fôlego. O que vemos, no entanto, é um conjunto de cenas pouco inspirado. Culpo aqui o diretor Kenneth Branagh, que poderia ter feito um melhor uso dos recursos disponíveis e dado mais vida à trama.

Além disso, o diretor abusa da câmera lenta para dramatizar certas passagens – recurso esse que deve ser utilizado com bastante cautela, pois em excesso pode deixar brega aquilo que deveria ser emocionante. Também achei o roteiro um pouco falho.  Faltaram detalhes ao introduzir a trama – detalhes esses que podem confundir o espectador pouco familiarizado com a história do super-heroi.

Por fim, acredito que alguns personagens mereciam mais destaque. Loki, que é muito bem interpretado pelo jovem Tom Hiddleston, tem papel fundamental na história, mas a subtrama que o envolve é pouco aprofundada. O mesmo vale para os outros guerreiros de Asgard. Nenhum deles é devidamente apresentado e o filme termina sem que nada saibamos sobre eles. Do outro lado do mundo, quem se destaca é Natalie Portman, que esbanja charme e a competência de sempre na pele de Jane Foster – a jovem nerd e inocente que se encanta por Thor na Terra.

Apesar dos erros, Kenneth Branagh consegue nos entreter durante as quase duas horas – o que é um grande mérito. Seu principal trunfo é o visual caprichado. Asgard está simplesmente exuberante, cheia  de vida, cores e detalhes. Os bons efeitos especiais aliados à maquiagem (os gigantes de gelo ficaram bastante realistas) contam pontos a favor do entretenimento. Os diálogos, ora cômicos, ora maduros, também merecem os devidos elogios – ponto para o diretor, que consegue juntar essas duas vertentes sem parecer forçado.

É claro que também devemos levar em conta a força do personagem. Thor, ao meu ver, é um dos super-herois mais legais dos quadrinhos. Neste caso, sobretudo quando uma obra sai do papel e vira filme, acredito que a empatia personagem/espectador conta muito. Apesar de arrogante, Thor é o tipo de heroi que todos gostam – é forte, bonito, confiante, leal e divertido. Por isso um filme em sua homenagem, mesmo que tenha seus defeitos, acaba ficando acima de média.

Minha Nota: 6.5

ESPECIAL HP: Harry Potter e a Câmara Secreta (Harry Potter and the Chamber of Secrets, 2002)

julho 22, 2009

Secret Chamber

Por Bruno Pongas

O que dizer da literatura da britânica J.K Rowling? Fútil? Boba? Pouco Inteligente? Bem, isso é o que muita gente acha. Particularmente, eu penso que ela é boa no que faz. Poucos (poucos mesmo!) são capazes de produzir algo como ela: voltado para as crianças ao mesmo tempo que conquista também o público adulto (sim, há adultos que adoram as fábulas de Harry Potter). É claro que não podemos cair no erro de uns e outros por aí, que usam o lendário Shakespeare como parâmetro. Rowling está longe de ser uma lenda, no entanto, é competente o suficiente para fazer bons livros a ponto de se tornar uma das escritoras mais influentes do mundo. Alguém provavelmente dirá que Paulo Coelho também é influente, bom, ou qualquer coisa do tipo… essa já é outra história, prefiro me abster.

Harry Potter e a Câmara Secreta, assim como seu antecessor, conta com muitos erros e alguns acertos, mas em suma, continua sendo uma obra irregular e sem magia. Mesmo o altíssimo investimento (100 milhões de dólares) foi insuficiente para trazer algo de novo e realmente encantador ao filme, que no final das contas acabou sendo apenas comum. Ao meu ver, creio que na época os produtores deviam ter escolhido um diretor com mais cacife, como Steven Spielberg – que chegou a ser cogitado para o trabalho. Chris Columbus, infelizmente, é fraco e teve muitas dificuldades em fazer os dois primeiros longas – tanto que foi substituído no terceiro episódio.

Falando em seu trabalho, Columbus repete mais uma vez os erros do capítulo anterior (Harry Potter e a Pedra Filosofal). Algumas cenas continuam muito mal dirigidas e o final deixa a desejar mais uma vez: é pouquíssimo emocionante, não envolve o espectador e tem atores pouco inspirados (ou mal dirigidos mesmo). De quebra, sentimos claramente que há algo no segundo episódio muito parecido com o primeiro; como assim? Sabemos que se tratam de histórias distintas, mas caso contrário, jamais conseguiríamos diferenciar os dois filmes, pois tirando alguma cena aqui e ali, é tudo muito igual, o clima é o mesmo. No terceiro longa, no entanto, isso ganha novos contornos e muda consideravelmente, até porque é um diretor diferente que comanda a trama – o mexicano Alfonso Cuarón.

No quesito roteiro, Steve Kloves optou mais uma vez por ser fiel à história original. Ainda assim, podemos observar alguns furos: Lord Voldemort continua mal explicado e o relacionamento de Hagrid com Aragogue também é pouco aprofundado, sem muitos detalhes, bem como o envolvimento de Alvo Dumbledore com Tom Riddle.  Muito por isso, os iniciantes devem se confundir – ou até mesmo se entediar – já que mesmo sendo fiel ao livro, algumas coisas ficam bem confusas (e os 161 minutos de filme pouco ajudam nesse caso). Para os fans, no entanto, Harry Potter e a Câmara Secreta é outro prato cheio (me incluo nesse grupo). Esse é o grande lance da série: é um trabalho direcionado muito mais para os aficionados do que para os que nunca leram os livros, diferente de Senhor dos Anéis, por exemplo, que consegue interar os iniciantes com muito mais propriedade.

O elenco vai mais uma vez muito bem. Podemos notar que o trio principal evoluiu se comparado à primeira empreitada; no entanto, o destaque aqui é inteiramente para o elenco mais experiente. Jason Isaacs consegue interpretar um Lucius Malfoy igualzinho ao que imaginamos quando lemos as histórias. Sua arrogância e prepotência (marcas de seu personagem) ganham ótimos contornos na pele do ator. Kenneth Branagh, que também faz sua estréia, executa muito bem o papel do Professor Gilderoy Lockhart – que rende, talvez, as cenas mais divertidas do longa. Falar de Alan Rickman (Severus Snape) é chover no molhado. A nota triste fica por conta de Richard Harris – o carismático Professor Dumbledore. O ator morreu em 2002 vítima de câncer no sistema linfático – o que foi uma grande perda para o cinema mundial. No seu lugar entrou o também experiente Michael Gambon, que para mim faz um Dumbledore ainda melhor.

Por fim, Harry Potter e a Câmara Secreta marca um ligeiro retrocesso da série. Ainda assim, podemos notar alguns quesitos que obtiveram grande melhora, como os efeitos especiais, que aqui gozam de uma realidade incrível – basta ver o elfo doméstico Dobby, extremamente bem feito. O jogo de luzes usado pelo diretor também está melhor, e fica bem evidente em algumas passagens, como no rosto de Lucius Malfoy no finalzinho (quando ele está no escritório de Dumbledore). O figurino, a fotografia e a trilha sonora continuam com a mesma qualidade da série, e as paisagens contêm uma beleza imensurável – bem típica de filmes desse tipo. O segundo trabalho cinematográfico da mitologia de J.K Rowling vale a pena para os veteranos, e talvez somente a eles; no entanto, ainda recomendo aos iniciantes, pois a trama tem lá suas qualidades.

Minha Nota: 6.5

Direção: Chris Columbus
Gênero: Aventura/Drama/Suspense
Duração: 161 minutos
Elenco: Daniel Radcliffe, Emma Watson, Rupert Grint, Richard Harris, Maggie Smith, Alan Rickman, Kenneth Branagh, Robbie Coltrane, Fiona Shaw, Richard Griffiths, Jason Isaacs, John Cleese, Bonnie Kathleen Wright, Robert Hardy, Julie Walters e Tom Felton.

Siga as principais novidades do Movie For Dummies também no twitter. Clique aqui!