Pacto Sinistro (Strangers on a Train, 1951)

by

stranger

Por Bruno Pongas

  • Esse texto possui spoilers.

Pacto Sinistro foi um dos grandes sucessos da carreira de Alfred Hitchcock. É verdade que sem o mesmo barulho de Psicose (1960), Um Corpo Que Cai (1958) ou Janela Indiscreta (1954), por exemplo, mas com uma qualidade bastante semelhante a esses trabalhos. A data de 1951 marca o primeiro filme do diretor após assinar com a multimilionária americana Warner Bros. Marca também uma de suas obras mais sinistras e admiráveis. Vale lembrar que nessa época o cineasta já era dono de uma carreira sólida, com alguns clássicos no currículo. Entre eles: Festim Diabólico (1948), Interlúdio (1946) e Rebecca – A Mulher Inesquecível (1940).

Em linhas gerais, a história gira em torno do tenista Guy Heines, personagem que por um terrível azar esbarra com o psicótico Bruno Anthony no trem. Desfeito o mal entendido, ambos iniciam uma conversa estranha. Bruno dá mostras logo de cara que é um maluco, enquanto Guy apenas dá corda à conversa fiada do ‘amigo’. Papo vai, papo vem… o estranho Bruno faz uma proposta ousada ao companheiro: o plano seria o assassinato perfeito. De acordo com o suposto plano, cada um cometeria o crime do outro. Ou seja, Haines teria que matar o pai de Bruno (Sr. Anthony), enquanto Bruno mataria a esposa de Haines (Mirian). O que parecia mera brincadeira é levada a sério por um deles, desencadeando graves acontecimentos.

Como em todos os filmes de Hitchcock, Pacto Sinistro tem uma série de sacadas geniais. A primeira delas acontece logo no início: dois homens aparecem caminhando até o trem. Na tomada, o diretor apenas filma os pés de cada um. Para a nossa surpresa, ambos possuem sapatos completamente distintos – como se revelariam suas respectivas personalidades ao longo da trama. Em outra cena (a do parque) é criado todo um clima macabro: Miriam Haines navega pelo rio junto com outros dois pretendentes; atrás deles, o psicótico Bruno os segue sem pudor. Na passagem da caverna, Hitchcock cria uma das cenas mais legais que eu já vi no cinema. A sombra se aproximando, o grito da mulher… mera brincadeira. O ponto final de Miriam Haines na história é adiado por mais alguns minutos. Há também toda a mística do trem: o meio de transporte é um dos preferidos dos cineastas para cenas de suspense/terror. Os trens, ao mesmo tempo que nos levam a algum lugar, transmitem uma imagem claustrofóbica, como se o mocinho estivesse encurralado, sem saída.

Sacadas à parte, Alfred Hitchcock também é mestre em desenvolver seus trabalhos. Acho impressionante o modo como ele faz tudo ao mesmo tempo: constrói o suspense, desenvolve a história, os personagens, as subtramas… tudo isso com muita qualidade e sem deixar furos. Outros cineastas têm por costume fazer uma parte de cada vez, tornando seus filmes um pouco mais arrastados. Com Hitchcock tudo é ágil, rápido… é raro ver alguém dizer que alguma de suas obras é ‘parada’. Para isso, colabora a trilha sonora de Bernard Herrmann, sempre muito adequada e utilizada nas melhores horas. Em Pacto Sinistro temos uma aula de como usar os efeitos sonoros – que é um dos recursos primordiais do suspense.

Falamos de tudo, mas ainda falta citar os atores… que fantástico é o desempenho de Robert Walker na pele de Bruno Anthony! A personagem goza de um desenvolvimento absurdo, muito bem trabalhado e aprofundado. Bruno é o típico filhinho de papai mimado que nunca teve um pedido rejeitado na vida. Quando cresceu, virou um maníaco, doido, maluco, frio, calculista… tudo que se pode imaginar. Impressiona a sequência do parque, quando logo após cometer um crime, ajuda um cego a atravessar a rua. Que lógica é essa? Como isso funciona? É difícil explicar, mas é um personagem interessantíssimo. Outra cena rica em suspense e extremamente tensa é a do quarto, quando Guy Haines se depara com Bruno em plena cama do pai. Aliás, toda aquela sequência é de deixar os cabelos em pé – dá vontade de adiantá-la no controle remoto para ver logo o que acontece.

O longa também conta com um elenco de apoio respeitável. Aqui, destaco a própria filha do diretor: Patrícia Hitchcock. Ela é o alívio cômico da trama; é desbocada, fala o que quer, garante risadas… ainda por cima é uma das chaves para desvendar o mistério. Mistério esse que é solucionado em outra cena empolgante (reparem na música ao fundo). De volta ao parque, no carrossel, com direito a ‘velhinho’ quase se sacrificando para evitar uma tragédia… aliás, alguém acredita que cavalos inofensivos de carrossel possam dar medo em alguém? Hitchcock de alguma maneira os transforma em diabólicos e assustadores (coisa de gênio).

Por fim, vemos em Pacto Sinistro uma obra completa, com todos os elementos necessários para se montar um grande filme. Obra obrigatória a todos os cinéfilos, especialmente aos que adoram um bom suspense!

Completando a ficha…

  • Para quem é daqueles que gosta de ter os dvd’s em casa, há uma versão recheada de extras interessantíssimos. Um dos mais legais é uma entrevista com o diretor M. Night Shyamalan, autor de obras como O Sexto Sentido e Sinais. O cineasta, fan assumido do trabalho de Alfred Hitchcock, comenta o filme com propriedade – bem melhor do que esse que vos fala. Vale a pena conferir.

Minha Nota: 9.5

Direção: Alfred Hitchcock
Gênero: Suspense
Duração: 101 minutos
Elenco: Farley Granger, Leo G. Carroll, Ruth Roman, Robert Walker, Patricia Hitchcock, Kasey Rogers, Marion Lorne e Jonathan Hale.

Anúncios

Tags: , , , , , , , , , ,

4 Respostas to “Pacto Sinistro (Strangers on a Train, 1951)”

  1. Luís Says:

    Eu sou fã de filmes e estou louco para um final de semana somente com filmes hitchcockianos; mesmo que eu não gostasse de filmes de suspense, sua crítica acerca de Pacto Sinistro me convenceria a assistir. Achei seu Blog bem interessante, já que a temática se assemelha à do meu. Vou dar uma passeada pro aqui, procurar mais posts legais para comentar.

  2. Charles Says:

    Olá Bruno! Pacto sinistro é um filmaço. Um dos melhores do Hitch.´É uma pena que aquele ator que interpretou o psicopata morreu cedo. O cara manda muito bem. abs.

  3. Heverton Says:

    Agora sim estou satisfeito….estou com um DVD que acabei de comprar com as duas versões desse filme…a inglesa e a americana…antes de assistir vim na comunidade a procura de informações sobre o mesmo…tô indo assistir agora…ótimo blog…aquele abraço.

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: