Click (Click, 2006)

by

click-i01

Por Bruno Pongas

O que faz de Adam Sandler um sucesso? Talvez essa seja a pergunta que muitos se fazem após ver o ator emplacar sucessos atrás de sucessos nos cinemas. Sandler não é do tipo atraente, tampouco tem um corpo que seja alvo de cobiça pelas mulheres. Sem os itens principais para triunfar na esteriotipada hollywood, o ator consegue seu público através de seu carisma inigualável – sem contar o talento para interpretar mocinhos em papeis como por exemplo o de Click.

No filme, Sandler entra na pele de Michael Newman, trabalhador atarefado que vê num ‘controle remoto mágico’ a grande chance de dar um jeito na sua vida. No entanto, à medida que Newman se encanta com o controle (que cá entre nós seria uma maravilha!) e passa a usá-lo freneticamente a todo o momento, uma série de consequências passam a figurar no cotidiano do personagem, que, desta maneira, se vê encurralado pelos poderes mágicos do micro-aparelho.

Se existe um ponto positivo em Click é o seu roteiro bastante seguro. Em momento algum Steve Koren e Mark O’Keefe (roteiristas) deixam a peteca cair. Assim, eles conseguem manter um ritmo tranquilo e agradável para a trama – que em nenhum momento se perde nem precisa ficar dando voltas para se firmar com o espectador. Ressalva positiva também para o diretor Frank Coraci, que assim como os roteiristas, executa a obra de maneira simples,  bem ao estilo de Adam Sandler.

Falando nele, mais uma vez o ator consegue um personagem cativante e carismático. No auge dos seus 42 anos, Sandler é mestre nesse aspecto. Impressiona sua capacidade de interpretar diversos papéis dentro de uma mesma fórmula (Como Se Fosse a Primeira Vez e o próprio Click figuram entre os exemplos)mas como assim? Como dito no início, em grande parte de seus filmes ele é o mocinho, que enfrenta diversos obstáculos e luta em prol de um objetivo. No final (que na maioria das vezes é feliz) existe sempre aquela mensagem bacana, que emociona o espectador. Adam Sandler faz esse tipo de trabalho com primor, e, respondendo ao questionamento inicial, talvez seja por isso que ele consiga tanto retorno em seus trabalhos.

Como nem tudo é perfeito, Click também conta com defeitos. O grande erro, que para mim faz a trama perder toda a magia, é o final. Pois é! Até entendo que o final é a parte mais árdua de se executar, já que é bastante difícil agradar a gregos e troianos; mesmo assim, tenho certeza que o último ato de Click decepcionou grande parcela do público. Frank Coraci tinha tudo para terminar o longa de forma primorosa e com um final excelente, no entanto, o diretor escolheu a fórmula mais preguiçosa e acabou fazendo um fim água com açúcar – absolutamente sem graça.

Apesar desse ‘pequeno’ deslize, o filme é daquele tipo que agrada a todos. Diverte quando precisa divertir e emociona quando tem que emocionar – típico produto comercial voltado para as grandes massas. Ainda assim, o grande trunfo de Click é Adam Sandler, que repete o bom desempenho de trabalhos anteriores e nos entrega uma obra competente. Sorte de seus seguidores, que têm quase duas horas de entretenimento garantido.

Minha Nota: 7.5

Direção: Frank Coraci
Gênero: Comédia
Duração: 107 minutos
Elenco: Adam Sandler, Kate Beckinsale, Christopher Walken, Sean Astin, James Earl Jones.

Anúncios

Tags: , , ,

9 Respostas to “Click (Click, 2006)”

  1. Roberto Camargo Says:

    O q??? Bruno Pongas postou uma critica e nao emitiu nenhuma nota???
    Click é um bom filme, longe de ser obra-prima, mas um otimo entretenimento. E aquele controle ajudaria muitos de nos, homens, na hora de lembrar coisas que as mulheres tanto gostam de nos cobrar…

  2. Bruno Pongas Says:

    Nossa! Isso é tão raro quanto Robertão da D fazendo um comentário! hahahaha

    Eu esqueci da nota! Vou colocá-la now!!!

  3. Leka Marcondes Says:

    Acho que apelar para um controle remoto não é justificável, talvez o filme seja feminista ao ensinar que os homens devem lembrar de detalhes sem apelações, para não piorar no futuro.

    Brincadeiras a parte, Click está longe de ser uma das melhores comédias, porque se preocupa demais em transmitir a famosa “moral da história” e se perde fazendo tentativas no território do drama de forma esteriotipada e superficial.
    Para comparar, em Como se fosse a primeira vez o final dá um jeito de ser feliz sem apelar pra volta no tempo, ou para a cura milagrosa de todos os males. Já em Click, o final é apressado, óbvio e fácil demais.

  4. O Cara da Locadora Says:

    Eu achei um filme muito bom, aliás gosto muito do Adam Sandler. Bem, concordo que daria um final bem melhor ao filme, mas se não fosse esse o filme não faria o sucesso todo que fez, entende? Pelo menos eu acho, num sei, rs…

  5. Filipe Cury Says:

    O filme é bacana, tem um conceito interessante, mas acredito que a trama se perde no segundo terço da história. Acho que é apenas a questão de saber “amarrar” bem o filme. Nesse caso, falhou.

    Adam Sandler é bem engraçado.

  6. MaH Says:

    Qual eh o nome msmo da musika do 1° Beijo deles…que eh num bar…????????

  7. samarajuyhgtrfdwpolk Says:

    oiukjhyttrgfdewcsvxbbnvhgjhmnkjluourtooikjuyhgttrfewsax

    ikjuyhgtrfdewsavcbgnhmjk,lo09iuyhgtrfddewwsalkjiutrewwfdcxvgrjnhhfyugduyhgfdewsadvbfthn

  8. Emikah Says:

    The Cranberries – Linger

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s


%d blogueiros gostam disto: